Federação de Igrejas Evangélicas Locais
NUSELON | Seminário Hosana
HOME | A Fiel | Estatuto | Regimento Interno | Diretoria | Parceiros | Contato |
Sábado, 25 de Outubo de 2014



ESTATUTO
da Federação de Igrejas Evangélicas Locais

Registrado em microfilme, sob nº 0114104/88, 3º Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas, São Paulo, CGC/MF 59.178.004/0001-07, Sede e Fórum Civil, à Rua Coronel Luiz Americano, 307 - Tatuapé - Cep 03308-020-210 na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo.

 

CAPÍTULO I
Da Denominação, Natureza, Sede, Fórum Civil, Duração e Fins

Art. 1o Sob a denominação de Federação de Igrejas Evangélicas Locais, doravante denominada FIEL, fica constituída uma Instituição de caráter cívico-religiosa, sem fins lucrativos, com número ilimitado de filiados, sem distinção de sexo, nacionalidade, cor e condição social, com sede e Fórum civil à Rua Coronel Luiz Americano, 307, Tatuapé, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com a finalidade de agrupar e fomentar a cooperação entre igrejas locais independentes filiadas.
§ único – A FIEL será regida pela Palavra de Deus, por este Estatuto, por seu Regimento Interno e por seus Regulamentos.
Art. 2o A FIEL é constituída com a finalidade de:

  1. Congregar e amparar ministros, obreiros e Igrejas Evangélicas Locais filiadas;
  2. Promover e desenvolver o espírito de cooperação mútua entre eles para o crescimento espiritual e o progresso do Reino de Deus.

Art. 3o A FIEL funcionará por tempo indeterminado.

Art. 4o São objetivos da FIEL:
I – Principais:

  1. Promover a comunhão entre os filiados e com os demais cristãos evangélicos, para a perfeita unidade do Corpo de Cristo;
  2. Difundir a Visão da expansão do Reino de Deus na Terra, em cumprimento fiel à ordem Divina do Senhor Jesus Cristo.

II – Gerais:

  1. Unir grupos evangélicos locais, igrejas evangélicas locais, ministros do evangelho: pastores, evangelistas e obreiros em geral, para desenvolver o espírito de comunhão, companheirismo e fraternidade cristãos entre os filiados, respeitando a autonomia de cada um;
  2. Realizar, apoiar e incentivar obras missionárias e de assistência social;
  3. Promover encontros e seminários para líderes, objetivando a atualização teológica, a edificação mútua e inter-relacionamento das lideranças;
  4. Realizar congressos regionais e nacionais;
  5. Prestar ajuda aos grupos locais quanto à solução das questões relativas ao pastorado e outras, quando isto for solicitado;
  6. Publicar e distribuir livros, folhetos, panfletos, jornais, revistas e hinários;
  7. Promover a ordenação de obreiros para o exercício do ministério;
  8. Abrir e organizar igrejas locais, congregações ou campos missionários.

§ 1o As igrejas organizadas conforme a letra “h” serão recebidas na forma do Artigo 6º, letra “a”.
§ 2o Para cumprir seus objetivos a FIEL poderá criar Núcleos Regionais.

Art. 5o Os membros da FIEL firmam a seguinte declaração bíblica de fé:

  1. Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo, constituindo a Trindade Una Divina;
  2. Cremos na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, tendo-a como única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão;
  3. Cremos na pecaminosidade do homem, que o destituiu da glória de Deus e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora do Senhor Jesus Cristo é que podem restaurá-lo;
  4. Cremos no nascimento virginal do Senhor Jesus Cristo, em Sua morte vicária e expiatória, em Sua ressurreição corporal dentre os mortos e Sua ascensão vitoriosa aos céus;
  5. Cremos na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé no Senhor Jesus Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus;
  6. Cremos no perdão dos pecados, na salvação presente e na perfeita e eterna justificação, recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício do Senhor Jesus Cristo em favor da humanidade;
  7. Cremos no batismo bíblico cristão, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo;
  8. Cremos na necessidade e na possibilidade de vivermos vida santa, mediante a obra expiatória e redentora do Senhor Jesus Cristo no Calvário, através do poder regenerador, inspirador e santificador do Espírito Santo;
  9. Cremos no Batismo no Espírito Santo, que nos é dado por Deus, mediante a intercessão do Senhor Jesus Cristo, de acordo com a Sua vontade;
  10. Cremos na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja, para sua edificação, consolação e exortação de acordo com a Sua soberana vontade;
  11. Cremos no arrebatamento corpóreo da Igreja;
  12. Cremos que todos os salvos comparecerão ante o tribunal do Senhor Jesus Cristo para receber a recompensa de seus feitos;
  13. Cremos na vida eterna para os fiéis, salvos por Jesus Cristo;
  14. Cremos no juízo vindouro e na condenação eterna dos ímpios.

 

Capítulo II
Dos Ministros e obreiros:
Admissão, DEMISSÃO, Direitos e Deveres

Art. 6o São filiados da FIEL:

  1. Igrejas, Comunidades Evangélicas Locais, Congregações e Campos missionários;
  2. Pastores, Evangelistas, Presbíteros e Obreiros;
  3. Ministros e Obreiros Fraternos: pessoas físicas.

§ 1º As Atribuições, Direitos e Deveres dos filiados, serão definidos pelo Regimento Interno, observada a letra “e” do Artigo 4º deste Estatuto e a autonomia da Igreja Local.
§ 2º As Igrejas Evangélicas Locais remeterão os Dízimos dos Dízimos para a FIEL.
§ 3º Os ministros e obreiros classificados nas letras “b” e “c” deste Artigo, remeterão à FIEL a contribuição que for fixada pela Diretoria.
Art. 7o A Admissão dos ministros e obreiros de quaisquer naturezas caberá à Diretoria, após certificar-se da integridade espiritual e moral do pretendente e da análise da documentação, que deverá ser apresentada nos termos deste Estatuto e do Regimento Interno.
§ único – Todo ingressante na FIEL deverá firmar TERMO de FILIAÇÃO, capitulado no Regimento Interno.

Art. 8o O desligamento de ministros e/ou obreiros se dará a pedido dos mesmos, ou quando houver desvio moral, doutrinário ou espiritual destes, a juízo da Diretoria.

Art. 9o Os ministros e obreiros filiados não respondem, nem mesmo subsidiariamente, pelos compromissos assumidos pela Instituição.

 

Capítulo III
Dos Bens

Art. 10. O Patrimônio da FIEL é constituído dos bens que possui atualmente e dos que vier adquirir, tais como bens móveis, imóveis, veículos e semoventes, ações, apólices de dívida pública, contribuições e taxas dos filiados, auxílios e donativos em dinheiro ou espécie.

Art. 11. As Primícias e os Dízimos são do Senhor, não constituindo patrimônio da FIEL; serão utilizados para o sustento dos “levitas”: pastores, evangelistas, ministros, obreiros, diáconos, bem como para atendimento de órfãos e viúvas, excepcionalmente.

 

Capítulo IV
Da Administração

Art. 12. A FIEL é administrada por sua Assembléia, pela Diretoria e pelo Conselho Fiscal.

Art. 13. A Assembléia se reunirá ordinariamente pelo menos uma vez por ano, e extraordinariamente, quantas vezes for necessário.

Art. 14. São Atribuições da Assembléia:

  1. Aprovar, emendar e/ou alterar o Estatuto;
  2. Eleger sua Diretoria e empossá-la;
  3. Decidir, com fundamento nas Escrituras Sagradas, sobre questões de doutrina e prática previstas neste Estatuto e no Regimento Interno;
  4. Atender consultas e apelações;
  5. Elaborar e executar planos de trabalhos que visem o cumprimento das finalidades do Art. 4º;
  6. Resolver sobre união com outros grupos eclesiásticos;
  7. Fundar ou apoiar Seminários e Institutos Bíblicos já existentes;
  8. Fundar ou apoiar obras de Ação Social e Educacional;
  9. Adquirir, alienar ou onerar bens imóveis da FIEL;
  10. Decidir sobre questões pastorais solicitadas pela Diretoria;

 

Art. 15. O “quorum” da Assembléia será de metade mais um de seus componentes; em segunda convocação se reunirá com qualquer número, meia hora depois da primeira chamada; o prazo mínimo de convocação de qualquer Assembléia será de trinta dias.

Art. 16. A representação das Igrejas Evangélicas Locais nas Assembléias será proporcional ao número de pessoas, dentre os seus Pastores e demais líderes, conforme previsto no Regimento Interno.
§ único – Os ministros e obreiros classificados na letra “a” do Artigo 4º do Regimento Interno da FIEL poderão participar das reuniões sem direito a voto.

 

Capítulo V
Da Diretoria

Art. 17. A Diretoria da FIEL é composta dos seguintes participantes:

  1. Presidente;
  2. Vice-Presidente;
  3. Diretor Administrativo;
  4. Diretor Financeiro;
  5. Primeiro Secretário;
  6. Segundo Secretário;
  7. Diretores dos Núcleos Regionais.

Art. 18. A Diretoria se reunirá semestralmente, pelo menos.
§ único – O ”quorum” da Diretoria será de metade e mais um de seus componentes.

Art. 19. À Diretoria compete aprovar, emendar e/ou alterar o Regimento Interno, bem como administrar a FIEL nos interregnos das reuniões da Assembléia Geral, “ad-referendum” da mesma.
§ 1º A Diretoria é eleita pela Assembléia Geral Ordinária, e por ela empossada, exceto quanto aos Diretores dos Núcleos Regionais, que são escolhidos pela Diretoria, ouvida a região, sempre que possível.
§ 2º A duração do mandato da Diretoria é de três anos, podendo ser reeleita, total ou parcialmente.

 

Capítulo VI
Da competência dos componentes da Diretoria

Art. 20. Compete ao Presidente:

  1. Representar a FIEL ativa, passiva, judicial e extra-judicialmente;
  2. Convocar e presidir as reuniões da Diretoria e da Assembléia Geral, nos termos deste Estatuto;
  3. Votar em caso de empate;
  4. Tomar ou determinar quaisquer providências de caráter urgente dentro da função;
  5. Assinar recibos de compra e/ou venda de veículos;
  6. Assinar cheques da conta bancária em nome da FIEL, juntamente com o Diretor Financeiro;
  7. Assinar as carteiras de Identidade Ministerial.

Art. 21. Compete ao Vice-Presidente substituir o Presidente na sua ausência ou impedimento e auxiliá-lo naquilo para o que for solicitado.

Art. 22. Compete ao Diretor Administrativo:

  1. Assinar procurações e outros documentos que comprometam a Instituição sempre junto com o Presidente;
  2. Exercer a coordenação, orientação e supervisão das Congregações, Campos Missionários e Igrejas, bem como das atividades previstas no Art. 4º;
  3. Tomar ou determinar quaisquer providências de caráter urgente dentro da sua função.

Art. 23. Compete ao Primeiro Secretário:

  1. Lavrar em livro próprio as atas das reuniões da Assembléia e da Diretoria;
  2. Manter atualizado o livro de registro de ministros e obreiros, contendo o nome completo, local e modo do recebimento;
  3. Confeccionar e/ou revalidar as Carteiras de Identidade Ministerial.

Art. 24. Compete ao Segundo Secretário auxiliar o Primeiro, quando por ele solicitado e/ou substituí-lo em sua falta ou impedimento.

Art. 25. Compete ao Diretor Financeiro:

  1. Receber e registrar as arrecadações da FIEL;
  2. Efetuar os pagamentos autorizados pela Diretoria da FIEL;
  3. Manter as contas e a escrituração em ordem;
  4. Apresentar relatório anual ao Conselho Fiscal;
  5. Fazer e apresentar declarações de renda;
  6. Assinar cheque da conta bancária em nome da FIEL, juntamente com o Presidente.

Parágrafo único – Compete aos Diretores Regionais:

  1. Compor a Diretoria e participar de suas reuniões;
  2. Administrar os Núcleos Regionais em conformidade com Art. 4º deste estatuto;
  3. Receber Dízimos e as anuidades dos filiados aos respectivos Núcleos, prestando contas destes valores à Diretoria, sempre que for solicitado.

Art. 26. O Conselho Fiscal é composto de três participantes e três suplentes, sendo Presidente o mais votado; apresentará à Assembléia Geral relatório das contas da tesouraria; em qualquer ocasião poderá fiscalizar livros e documentos da tesouraria, prestando relatório à Diretoria.
§ único - O mandato do Conselho Fiscal terá o mesmo tempo de duração da Diretoria.

Art. 27. As atividades dos diretores e dos Conselheiros Fiscais serão à título gratuito, sendo-lhes vedado o recebimento de qualquer lucro, bonificação ou vantagens.

Art. 28. A FIEL cria o fundo de Assistência Cristã – FAC – com a finalidade de atender às necessidades emergenciais de seus filiados classificados na letra “b” do Artigo 6º, e de suas famílias em casos de doenças, invalidez, morte, além de outros.
§ único – Todas as atribuições, funções e procedimentos administrativos deste Artigo serão dispostos em Regulamento.

Disposições Gerais e Transitórias:

Art. 29. A FIEL só poderá ser extinta pela Assembléia Geral, especialmente convocada para tal fim.

Art. 30. Em caso de dissolução, liquidado o passivo, os bens remanescentes terão o destino que a Assembléia Geral determinar.

Art. 31. Este Estatuto poderá ser reformado por resolução da Assembléia Geral, especialmente convocada para isto, com votação favorável de 2/3 (dois terços) dos presentes.

Art. 32. Os casos omissos serão resolvidos pela Diretoria, “ad-referendum” da Assembléia Geral, de conformidade com o que preceitua a Bíblia Sagrada.

Art. 33. Este Estatuto, aprovado e registrado em 15 (quinze) de Junho de 1988, alterado em 11 (onze) de Abril de 1998 e 22 (vinte e dois) de janeiro de 2004; entra em vigor a partir desta data, ficando revogadas as disposições em contrário.

 

Londrina, 22 de janeiro de 2004.



  Notícias

Emissão de Novas Identidades Ministeriais

Estamos emitindo novas Identidades Ministeriais para os obreiros filiados. Entre em contato com a secretaria da FIEL e peça a sua.

FIEL © 2010